Imagem em destaque do post.

Diário do Poder: Após exonerações, ANAFE apresentará lista tríplice para indicação do novo Procurador-Geral Federal

Em matéria publicada na última sexta-feira (27), o Portal Diário do Poder destacou a iniciativa da ANAFE, de abrir consulta pública para a composição de lista tríplice que indicará nomes aptos a ocupar o cargo de Procurador-Geral Federal.

A reportagem traz, ainda, os dados positivos apresentados pela Associação referentes à atuação dos órgãos da instituição, enquanto chefiados pelos Procuradores-Gerais exonerados.

Leia abaixo a matéria na íntegra:

APÓS EXONERAÇÕES, ANAFE APRESENTARÁ LISTA TRÍPLICE PARA INDICAÇÃO DO NOVO PROCURADOR-GERAL FEDERAL

Entidade apontou arbitrariedade no ato e exigirá escolha democrática

A Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais (ANAFE) abriu, nessa quinta-feira (26), consulta pública para a composição de lista tríplice que indicará nomes aptos a ocupar o cargo de Procurador-Geral Federal. A ação se dá após exonerações dos Procuradores-Gerais Federal e da União, ocorridas na última terça-feira (24), que, segundo a ANAFE, se deram por conveniência pessoal da dirigente máxima da Instituição.

A relação dos três Procuradores Federais mais votados, bem como a respectiva quantidade de votos recebidos, será entregue à Advocacia-Geral da União e à Presidência da República ao final do processo. Contudo, a ANAFE já encaminhou ofício à Instituição informando sobre a formação da lista, nessa quinta-feira (26).

O presidente da ANAFE, Marcelino Rodrigues, afirma que a consulta visa evitar retrocessos em uma linha de gestão participativa e democrática, a qual embasou a criação e o aprimoramento de diversos projetos da Procuradoria-Geral Federal. “A ANAFE não aceita indicações arbitrárias com comprometimento pessoal e defende a atuação da Advocacia-Geral da União rigidamente pautada por princípios republicanos e democráticos”, ressalta.

AVISO À AGU

Em ofício, enviado à Advogada-Geral da União, Grace Mendonça, nessa quinta-feira (26), a ANAFE alertou sobre a votação. “Considerando o intuito manifestado reiteradamente no sentido de afirmar a Advocacia-Geral da União como instituição de Estado, a ANAFE informa que realizará consulta aos Membros da AGU da carreira de Procurador Federal voltada à formação de lista tríplice para o cargo de Procurador-Geral Federal, o qual se encontra vago em razão da súbita exoneração de seu anterior ocupante”, trouxe o documento.

JUSTIFICATIVAS INCONSISTENTES PARA O ATO

A ANAFE, enquanto maior entidade representativa das carreiras jurídicas da AGU, aponta, ainda, inconsistências nas declarações da Advogada-Geral da União, Grace Mendonça, sobre as exonerações dos Procuradores-Gerais Federal e da União. Segundo a AGU, as exonerações levariam ao aprimoramento do desempenho na área do contencioso. Entretanto, os resultados apresentados pelos órgãos da instituição, enquanto chefiados pelos Procuradores-Gerais exonerados, mostram o contrário.

Apenas em 2017, a Procuradoria-Geral Federal realizou mais de 10 bilhões em execuções fiscais, enquanto a Procuradoria-Geral da União economizou mais de R$ 371 bilhões e arrecadou R$ 131 milhões. Diante disso, o presidente da ANAFE, Marcelino Rodrigues, classifica o ato como preocupante, pois claramente se trata de retrocessos em áreas extremamente estratégicas da Advocacia-Geral da União. “A justificativa, como sendo de caráter técnico, não compactua com os relatórios de gestão trazidos pelos órgãos. Deste modo, fica ainda mais evidente que a afirmação é evasiva e inconsistente.”

ATUAÇÃO EXEMPLAR

Procuradoria-Geral Federal

O Relatório de Gestão da Procuradoria-Geral Federal registra que, ao longo do ano de 2017, foram ajuizadas 328 ações de improbidade administrativa e cautelares de arresto de bens decorrentes de TCE, com expectativa de ressarcimento de R$ 1.2 bilhão, entre prejuízo ao Erário e multas da Lei nº 8.429, de 1992, tendo sido identificadas 40 liminares, que resultaram em autorização para bloqueio de bens no valor de R$ 52 milhões.

A Equipe de Trabalho Remoto de Ações de Improbidade Administrativa (ETR/Improbidade), atualmente composta por 7 integrantes, apresentou média de ajuizamento de cerca de 26 ações por mês, sendo a média histórica da PGF de 26 ações por ano, o que representa incremento de aproximadamente 1242% em comparação com o modelo anterior de descentralização das atividades de instrução prévia e ajuizamento de ações de improbidade.

As demonstrações de eficiência quanto à produtividade são demonstradas também pela Equipe Nacional de Cobrança (ENAC), que apresentou consistente evolução em relação aos dados verificados nos anos de 2015 e 2016, como mostram as tabelas anexadas.

Procuradoria-Geral da União

Na Procuradoria-Geral da União, foram economizados R$ 371,8 bilhões e arrecadados R$ 131 milhões. Os 976 acordos judiciais realizados garantiram economia de R$ 1,12 bilhão, com a expectativa de ressarcimento de mais de R$ 15 bilhões em ações regressivas e o investimento garantido de R$ 11,1 bilhões.

Em 2017, o órgão atuou em ações relacionadas a trabalho escravo, Petrobras, Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF), Escândalo do Propinoduto, TransOlímpica, Lava Jato, Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), Companhia Energética Minas Gerais (CEMIG), sucroalcooleiras, dentre outras.

“Tais dados confirmam como a atuação da Procuradoria-Geral Federal e da Procuradoria-Geral da União trouxeram avanços positivos para a AGU e para o Estado brasileiro. Os bons resultados se devem às práticas implantadas pela gestão, que utilizaram planejamento estratégico em busca de uma AGU cada vez mais atuante e, por isso, acabam por refutar a justificativa utilizada pela Advogada-Geral da União”, afirma o presidente da ANAFE.

Share This